Itinerarios

Lecturas Intemperiadas

No mes de abril arranca Intemperiadas, correspondencias interartes con Xela Arias, unha actividade que se desenvolverá na Libraría NUMAX até o mes de outubro e que propiciará o encontro da obra de Xela Arias con creadoras actuais de diferentes disciplinas artísticas. Para ir abrindo boca compartimos o itinerario bibliográfico da comisaria da actividade, Charo Lopes, que nos comenta cada unha das súas escollas. Intemperiadas está apoiada pola Deputación da Coruña.

▶ Livros que nom lê ninguém. Poesia, movimentos sociais e antagonismo político na Galiza, Isaac Lourido (Através Editora, 2014)
O marco de teorias sistémicas com que trabalha Isaac Lourido permite superar a análise da poesia que se limita aos textos em-si-próprios. Em concreto este livro compila umha série de artigos que abrem a porta a umha investigaçom militante que analisa processos, práticas e trajetórias em espaços de conflito cultural, nomeadamente o nosso.

El entusiasmo, Remedios Zafra (Anagrama, 2017)
Reflexom honesta que descreve as condiçons complexas e contraditórias das trabalhadoras do cultural hoje. Fala de precariedade e dumha desilusom imprescindível para a tomada de consciência que permita repensar e reconfigurar o trabalho criativo e académico num sentido transformador.

Galiza, um povo sentimental?, Helena Miguélez-Carballeira (Através Editora, 2014)
Este trabalho de Helena Miguélez-Carballeira é um ensaio rigoroso e necessário para pensar criticamente a construçom simbólica de Galiza como naçom. Dá chaves para revisar dumha ótica feminista todos os mitos nos que se alicerça a ideia do nosso país, enraizados na lógica dum discurso colonial e patriarcal.

El beso de Judas. Fotografía y verdad, Joan Foncuberta Villà (Gustavo Gili,1997)
Este é um livro imprescindível nom apenas para fotógrafas, mas aconselhável para qualquer pessoa, já que a fotografia é umha linguagem presente em toda a sociedade. Cumpre ultrapassar o paradigma de fotografia como sinónimo de verdade e pór o foco nos pés de foto: onde e com que ancoramos a ambiguidade das imagens, e qual é a direçom ética do projeto fotográfico.

Ricardo Carvalho Calero. Coraçom de Terra, Iván Suárez, Xico Paradelo, Irene Veiga (Através Editora + Demo, 2020)
Foi injusto nom alargar a 2021 a homenagem polas Letras Galegas a Carvalho Calero, e dentro dos materiais publicado no ano passado, esta banda desenhada é um dos que merecem destaque, tanto polos desenhos como polo trabalho de roteiro, mas também por abrir um novo formato de divulgaçom da biografia e obra do autor.

Vacastras, Rosa Enríquez (Urutau, 2020)
A última obra de Rosa Enríquez é um delírio espectacular. Umha homenagem à intertextualidade com referências múltiples e mui diversas, que mistura umha voz narradora, enciclopédica e descritiva, com pousos de mitologia, de surrealismo, e umha estrutura dialógica que afunda na crítica feminista.